AEM/MS constata que metade dos pescados congelados está abaixo do peso

Categoria: Geral | Publicado: segunda-feira, março 20, 2017 as 09:55 | Voltar

Campo Grande (MS) – Fiscais da AEM/MS (Agência Estadual de Metrologia) constataram que metade das embalagens de pescados e crustáceos congelados vendidos em Mato Grosso do Sul contém peso abaixo do especificado. A fiscalização, denominada Operação Quaresma, desenvolveu-se entre os dias 30 de janeiro a 16 de fevereiro em estabelecimentos comerciais de Chapadão do Sul, Cassilândia, Naviraí, Caarapó, Dourados, Itaporã, Paranaíba, Aparecida do Taboado, Três Lagoas, Bataguassu e Campo Grande. É a maior operação do gênero já realizada no Brasil, assegura o diretor presidente da AEM/MS, Nilton Rodrigues.

Foram coletadas 1.850 amostras de 42 marcas diferentes. Os produtos com as mesmas especificações foram divididos em 79 grupos para serem pesados e o resultado apurado pela média. Destes 79 exames, 39 foram reprovados e 40 aprovados. Em um dos casos, o filé de peixe congelado Linguado da marca 7 Barbas, a diferença entre o que constava na embalagem e o que mostrou a balança foi de até 30% a menos. Ao invés de 800 gramas, o peso apurado foi de 555,7 gramas.

O filé de peixe congelado Cascudinho do Mar, da marca Vitalmar, que deveria conter 800 gramas na embalagem, pesou em média apenas 588,2 gramas. Uma defasagem de 26%. Também da Vitalmar, o filé de Merluza tinha diferença de 190 gramas na embalagem de 800 gramas, constataram os fiscais da AEM/MS.

A Vitalmar e a Costa Sul Pescados – ambas de Santa Catarina – figuram como campeãs em reprovações, com todas as 7 análises de produtos pesando menos do que o especificados na embalagem. Zaltana, Copacol e Rio Preto tiveram duas análises aprovadas e duas reprovadas, cada uma.

Dos 39 produtos com pesos diferentes (para menos) do que consta na embalagem, 30 foram retirados de comercialização no Estado pela alta margem de distorção. As empresas produtoras foram chamadas para corrigir o erro e, caso não o façam, esses produtos podem ter a venda. É tolerada uma diferença máxima de 3%, explica Rodrigues. “A retirada desses produtos do mercado é uma medida para proteger o consumidor de prejuízo”, frisou.

Veja a lista completa dos produtos pesquisados aqui.

Publicado por:

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.